NEWS

PESCA: UMA HOMENAGEM AO MAR COM COZINHA DE AUTOR

Foi com muita expectativa que aguardava a abertura do Pesca, do Chef Diogo de Noronha, quer pela coragem de abrir um restaurante completamente dedicado ao peixe e ao mar, com um compromisso muito interessante, assente na sustentabilidade, quer pela ideia de fazê-lo com cozinha de autor.

Sou fã do trabalho do Diogo e acho muito interessante a sua evolução enquanto Chef e a forma como incute o seu espírito de vida no que faz. A ideia da sustentabilidade é de louvar, mas, vindo de si, não é de estranhar. Vem da sua formação e da sua forma de estar na vida, responsável e com muito respeito pelo ambiente.  Por isso, trabalha sempre com pequenos produtores locais e produtos sazonais.

O Pesca fica num prédio oitocentista do Príncipe Real, na Rua da Escola Politécnica. Tem a fachada em azul claro e uma janela para a rua, que nos convida a espreitar e a entrar para provar a carta de ostras. Adorei as naturais e as de foie gras, beterraba e pimenta sechuan, que são servidas entre o meio-dia e a meia-noite. A acompanhar um dos cocktails com a assinatura do bartender Fernão Gonçalves, ainda ficam mais deliciosas, já que o seu sabor é enaltecido pelas composições tão bem pensadas por ele. Estas bebidas também são servidas ao balcão, para aqueles que não querem esperar ou preferem fazer algum tempo, antes da refeição. O que, aliás, é uma ótima ideia, porque o Pesca é super! É um restaurante cool e acolhedor onde também se tocam discos, selecionados pelo Chef Diogo Noronha (outra das suas grandes paixões).

O espaço é um must! Muito despretensioso mas bastante bonito, como uma espécie de taberna fina portuguesa, com chão de mosaico hidráulico (muito comum nos anos 80). Na passagem do bar para as salas de jantar fica a cozinha. Esta é aberta para quem quiser espreitar e ver a equipa a trabalhar. Prontos para uma experiencia gastronómica com inspiração marítima, deparamo-nos com salas decoradas com mesas e cadeiras de madeira, para um máximo de 50 pessoas (tudo feito com materiais reciclados), iluminadas pela luz (que poderia ser a de um farol) e um pátio que, confesso, é a minha zona preferida, já que está rodeado de plantas e, curiosamente, tem vista para os estendais ali do bairro. Só isso dá-lhe uma graça especial, não estivesse este restaurante no coração de Lisboa, com tudo o que a caracteriza e a torna tão típica. Esta zona é bioclimática, podendo ser usada o ano inteiro, faça chuva ou faça sol.

Mas aqui o que mais brilha são os pratos de autor. Por isso, vou já passar à carta. Esta é dominada pela criatividade gastronómica com inspiração no mar, que nos deixa com água na boca só de a ler.

O que provei e adorei:atum rabilho e cecina , polvo na brasa com puré de batata-doce de Aljezur e salmonete braseado com ovo a baixa temperatura (o meu favorito absolutamente excecional).

No caso das sobremesas, o pasteleiro Claiton Ferreira é quem faz as honras da casa. Provei um Seixos de pistáchio, framboesas e baunilha que estava divinal .

 

E ainda só para levantar a curiosidade, os menus de degustação dividem-se consoante as sensações gastronómicas que se pretendem.

No menu maresia, a ideia é proporcionar uma subtil “viagem” entre as montanhas e a costa portuguesa, com o objetivo de dar a descobrir as combinações perfeitas de atum e pregado.

No menu maré, tal como o nome sugere, leva-nos a mergulhar pelos sabores da costa atlântica e é aqui que reinam as ostras (de que já falei), as gambas e o delicado salmonete com ovo a baixa temperatura.

 

Muitos parabéns ao Chef Diogo Noronha e sua equipa !

O Pesca vai dar muito que falar , agora é ir experimentar e desfrutar !

 

Be myguest!

Bárbara Taborda

PESCA

Rua da Escola Politécnica 27 ( Príncipe Real ) Lisboa

Tel. 21 346 0633

www.restaurantepesca.pt